quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Fome


Sinto a urgência do desejo
na saudade com que te lembro.
Há fome em minha carência
e é sede a tua ausência.
E é vazio o espaço
que teu corpo preencheu.

A cama que nos fez apenas um
agora é vasta e inútil
em sua plenitude obsoleta.
Tornamo-nos vontades distantes,
pois dizem que são
tempos proibidos
e que os Poemas
já não são lidos.

Mas ainda há a espera
por essa outra música
que embalará o novo festim.
Vista o vestido mais bonito
e calce as sandálias que te
fazem mais sensual.
Breve, a orquestra
tocará o sinal.