quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Na Bienal


O homem de meia-idade
segura a mão da mulher
cuja beleza, idade não tem.
Passa entre os dez dedos
um cúmplice amor
que se adivinha renovado
na maturidade que lhe prolonga
a juventude dos desejos.

Invejo-lhes o amor seguro.
A calma de se saber querido.
E a plena certeza de querer,
expressa na carícia que não se nega.
Invejo-lhes o amor estável, amigo,
sem pressa.

Juntos, passeiam livros,
escolhem palavras
e riem versos.

Logo seguirão para o restaurante,
onde eu jantarei o bife sozinho
dessas noites na grande cidade vazia.
Amanhã estarão juntos
e seguirão caminhos iguais.

Eu voltarei para a multidão
e tentarei fazer um poema
para o homem e para a mulher
do maduro amor de meia-idade.
Talvez eu consiga cantar
esse homem e essa mulher
que fomos nós.

Digitado por Taisinha.