sábado, 1 de setembro de 2012

Homens Sós


Estão vagos os altares
porque os deuses se foram
em busca doutra humanidade.
Já não escutam os nossos apelos
as Aras sagradas.
As preces foram esquecidas
e as relíquias estão perdidas.
Cânticos proibidos,
em cantos esquecidos,
preenchem o silêncio das Catedrais
e se perderam na imundice mundana
os santos arabescos dos vitrais.
Lágrimas góticas
escorrem de nossos olhos barrocos
porque tememos o fim dos Demônios
que a nossa derradeira utilidade combatia.
Cegos, nem vimos que hoje
a Lua se fez azul.
E, surdos, deixamos de ouvir
o Mar que se ressuscita
nas praias eternas,
em cada onda que morre
na rebentação dos danados.
Ficamos nós.
Os Homens sós.