quinta-feira, 26 de julho de 2012

Alain BADIOU, Filósofos Modernos e Contemporâneos


BADIOU, Alain
1937
O Espaço e o Ser – A Ontologia

Nascido em Rabat, Marrocos, mas de nacionalidade francesa, BADIOU é celebrado por sua Dramaturgia, por seus Romances e, claro, por sua Filosofia, na qual se sobressai a sua defesa intransigente do Comunismo em geral e, particularmente do Maoismo, do qual é ativo militante.

Sabe-se que o Maoismo, enquanto desenvolvimento teórico do Marxismo-Leninismo foi idealizado e realizado na China por Mão Tsé Tung (1893 – 1976) e serviu como base ideológica para o grupo de combatentes que postulava derrubar o Governo do Kuomintang de Chiang Kai-Shek e implantar o Regime Comunista no País, com a tomada do Poder pelo proletariado em conjunto com o campesinato.

Marcou-lhe sobremodo, a sua forma de luta empregada, que ao contrário do ocorrido noutros lugares, aconteceu a partir do meio rural em direção às cidades em uma guerra de longa duração.

Esses diferenciais foram determinantes para arrebanhar inúmeros admiradores pelo Mundo afora, dentre os quais o Filósofo BADIOU que viu no Movimento uma forma de libertação mais pura e, justamente por isso, mais radical. E é o radicalismo a característica mais proeminente no Ideário desse franco-árabe, como veremos no desenrolar do presente Ensaio.

Filho de Raymond Badiou -1905-1996 (que foi membro da SF10 [Section Française de L’INTERNATIONALE Ouvrière], membro da Resistência Francesa durante a ocupação alemã na 2ª Guerra Mundial e Presidente eleito da Câmara de Toulouse [1944-1958]), Alain realizou seus estudos de Filosofia na École Normale Supériure de Paris entre 1956 a 1961. Após a formatura, lecionou na mesma de 1969 até 1999 quando foi nomeado Diretor de seu Departamento de Filosofia. Também foi Professor na Universidade de Paris VIII e ministrou concorridos Cursos e Seminários no Collège International de Philosophie.

Em paralelo à sua carreira Acadêmica, teve uma vigorosa militância política; a qual, se atualmente perdeu em intensidade física, ganhou em notoriedade graças à revitalização que seu Ideário experimenta na Contemporaneidade. Com efeito, suas Obras (abaixo listamos as mais destacadas), ocupam o centro das atenções dos estudiosos hodiernos, que saboreiam nas mesmas a vasta erudição e a profundidade das reflexões do autor.

  1. Teoria do Sujeito, 1982.
  2. O Ser e o Evento, 1988.
  3. Manifesto pela Filosofia, 1989.
  4. Ética: um Ensaio sobre a Consciência do Mal, 1993.
  5. Pequeno Manual de Inestética, 1998.
  6. Circunstâncias, 2004.
  7. Lógicas dos Mundos, o Ser e o Evento II, 2006.
  8. Segundo Manifesto pela Filosofia, 2009.
BADIOU foi membro fundador do PSU (Parti Socialiste Unifié), em 1960 e participou ativamente do Movimento ocorrido no célebre Maio de 1968. Como simpatizante do Maoismo também ingressou na Union des Communistes de France Marxiste-Leniniste, em 1969. Na atualidade, exerce sua militancia no grupo ultraesquerdista denominado L’organisation Politique, junto com Sylvain Lazarus e Natacha Michel.

Em termos afeitos à Filosofia propriamente dita, pode-se dizer que as influências que recebeu para a construção de seu Pensamento vieram basicamente de seu mestre Louis Althusser, principalmente pelos primeiros trabalhos epistemológicos (ie, sobre as questões relativas à aquisição de Saber, Conhecimento) e dos célebres Jean Paul Sartre e Jacques Lacan.

E que a sua postura em relação a alguns temas da Disciplina é singular, como no caso da Metafísica em que ele, simultaneamente, questiona a Metafísica Clássica enquanto rejeita a atual tendência de aniquilar a “Verdade” enquanto Categoria Teórica (ie. que paira no terreno mental, abstrato, acima das injunções materialistas).

Nesse campo das Teorias, vamos encontrá-lo em seu nicho favorito, ou seja, a Ontologia (que, como se sabe, é a parte da Filosofia que estuda o Ser enquanto Ser, ie, que indaga o que realmente existe para além do que conhecemos. Que investiga o Ser despido das características que podemos conhecer).

Ali, ele defende, principalmente, a sua tese de que “As Matemáticas” são a verdadeira Ontologia (talvez a única). Afirmativa – expressa em seu livro O Ser e o Evento, de 1988 – que causou polêmica com os mais ortodoxos, mas que também lhe deu um grande reconhecimento pela sua ousada proposição de alterar um dos dogmas da Disciplina.

Em 2006, com a publicação de Lógicas do Mundo. O Ser e o Evento ele retomou o tema Ontologia para tratar das Lógicas relativas ao aparecimento dos Seres nos Mundos, ou nas situações em que tais aparecimentos acontecem.

Mas as polêmicas que lhes são próprias não se esgotam no campo Teórico e ele também é conhecido pela virulência de suas criticas a Democracia Liberal e aos Direitos Humanos, os quais, segundo sua ótica, não passam de falsos sustentáculos do Capitalismo Selvagem, que se torna cada dia mais dominante em todas as partes.

Dessa sorte, tanto no terreno da Teoria, quanto no da Política ele vaga com seu Raciocínio brilhante, acrescentado mais luz ao Saber existente. Porém, para muitos a complexidade de seu Sistema o torna incognoscível e é por isso que, aqui chegados, será oportuno analisarmos na sequência desse Ensaio algumas *concepções do Pensador acerca dos assuntos que já foram, ou não, aludidos, na tentativa de decifrarmos os meandros de seu ideário.

*NOTA do AUTOR - Essas concepções foram pinçadas em seus escritos e na entrevista que ele concedeu a Normam R. Madarasz e Mario Constantinou. A íntegra da mesma pode ser lida na “Revista Ethica” V.15 – N.2 – pgs. 21-40 – Tradução de Filipe Ceppas de Carvalho e Faria, Rio de Janeiro – RJ.

Ética

... Renunciarei, provavelmente, a todo uso da palavra “Ética” em virtude de existirem tantas contradições em torno da mesma. Acredito que o que existe de fato são “regras” hiperdependentes de circunstâncias agravantes ou atenuantes e que é preciso considerá-las. Eu já havia afirmado que não há uma “Ética Geral”, mas apenas “Éticas” ligadas a Processos, ou a fatos, ou a acontecimentos, singulares e, por isso, com “Verdades Singulares”, ou seja, referente apenas aquele Processo.
Será preciso, pois, avançar nesse campo de estudo e enquanto isso “obrigar” que a decisão justa para o caso seja tomada e respeitada. Afinal o valor da verdade é superior a todos os outros...
NOTA do AUTOR – considere-se que conceitos como “Verdade”, aqui não se prestarão a qualquer Relatividade, unicamente para efeito dessa consideração de BADIOU.

Fechamento – Abertura 01

... A “Abertura de Mercados” é uma das bandeiras mais caras às Democracias Capitalistas Ocidentais. Repousa sobre a “Economia de Mercado” e a “Circulação de Capitais” o seu modo de vida, o qual teria tal “Superioridade” que comumente é alardeado como panaceia universal. Mas o fato é que tal Sistema apoia-se na exploração dos Países Ricos sobre os Subdesenvolvidos, repetindo o que ocorre desde a época das colonizações.
Ademais, é ostensivamente cínico o fato de que os que mais celebram a chamada “Abertura”, ou “Globalização” são os mesmos que recusam a livre circulação de pessoas, promovendo toda sorte de barreiras à imigração, principalmente a oriunda dos países pobres; e promovendo toda forma de perseguição (oficial ou informal) contra quem conseguiu passar pelas malhas de suas fronteiras.

Para BADIOU, o Filósofo que teorizou essa “Abertura” foi Karl Popper, que em seu livro “A Sociedade Aberta e os seus Inimigos” formalizou sistematicamente essa sua antiga proposta.

Também para o Filósofo, esse “Movimento de Globalização” encontra alguns de seus princípios no “Vitalismo” de Henry Bérgson e de DELEUZE, já que nos Ideários de ambos é de fundamental importância a Ideia de que a “Vida é uma potência (ou um poder) Aberta” e está além das restrições formais de Nacionalidades, Alfândegas, Países, Etnias etc.

Vê-se, pois, que o assunto é uma espécie de “Dialética (no sentido de “contradição”) Sofisticada” entre o Aberto e o Fechado, mas, ao cabo, essa sofisticação não esconde a hipocrisia que reina no Capitalismo e que se manifesta no cinismo desse tipo de Discurso. A prática política toma a mesma distancia da Filosofia, que a Ética toma do comportamento...

Fechamento – Abertura 02

... Não reconheço nenhuma hierarquia, ou escala de valores, entre o “Aberto” e o “Fechado”.

Já na Política é possível observar que existem circunstâncias onde o “Fechamento” é uma necessidade imperiosa, como acontece, por exemplo, no caso de um Estado Revolucionário que não pode permanecer “aberto ao Mundo”, pois se sabe que desde o século XIX a propalada “Abertura ao Mercado” tornou-se a “palavra de ordem” das Nações Imperialistas que nunca se constrangeram em utilizá-la para encobrir suas reais intenções de dominação. Inclusive com o uso de armas.

Em outro terreno, no campo amoroso mais especificamente, o “fechamento” também é uma característica necessária – exceto, é claro, para os indivíduos e ou casais que optam pelo exibicionismo – haja vista que é nesse espaço que os Sujeitos praticam seus atos mais íntimos.

Também em outro campo, agora no terreno técnico, pode-se dizer que a Matemática (aqui vista como uma expressão do Pensamento Lógico e Racional) construiu a sua “Linguagem Fechada” para se prevenir da duplicidade, ou até da multiplicidade de interpretações que a “Linguagem Comum” permite.
Por tudo isso, eu vejo com reservas essa apologia atual à Abertura e temo que ela seja apenas mais uma peça de propaganda destinada a promover os interesses escusos das Elites do Mundo...

A Obra de Wagner

... Com efeito, há duas interpretações possíveis para a obra de Wagner (Richard, 1813 – 1883, considerado o maior compositor alemão).

À primeira darei o nome de “alemã” e direi que é aquela que se apoia na Ideia de um “Mito Fundador e um Mito da Nação”, heroico e propenso ao sacrifício em prol da “Mãe Pátria”

À segunda, chamarei de “francesa”. É a que vê nas composições do Maestro um tipo de hino em que se exalta a “Revolução da Comuna”Uma música para o Futuro, já que os velhos modelos Políticos foram (ou serão) aniquilados pelas novas ideias advindas dos ideais revolucionários.

Observe-se que a interpretação “alemã” serviu tanto para glorificar o Nazismo, quanto para enaltecer o Ideário de Nietzsche (Friedrich, 1844 – 1900) e a nova música de Adorno (Theodor W. – 1903-1969).
Note-se, também, que a interpretação “francesa” enseja uma discussão, pois há quem admire Wagner sem restrições, como Baudelaire (Charles, 1821 – 1867) enquanto outros como Mallarmé (Stéphane, 1842 – 1898) julgam-no ultrapassado por sua tendência em glorificar o Estado.

O fato de a contradição ser uma idiossincrasia da obra de Wagner, não destoa de sua condição de gênio. Ao contrário, confirma-a. Porém, importa, sobretudo, notar que os “valores positivos ou otimistas” de sua arte, encontrados principalmente em suas três óperas principais, Parsifal, Tristão e Isolda e Mestres Cantores, superam em larga medida os “valores negativos ou pessimistas” que cantam a morte e o aniquilamento.

Ainda é necessário reconhecer que a existência dessa dupla interpretação é em si um claro sinal de que a fusão da França e da Alemanha pode e deve ser vista como uma boa perspectiva para a criação de um “Pensamento Europeu”, já que o atual dissolve-se no limbo da malfadada “União Européia”.

A Comuna de Paris e a Revolução Cultural Chinesa.

... O problema deve ser examinado no interior da “Teoria de três etapas” daquilo que eu chamo de “Hipótese Comunista”.

A primeira etapa, da Revolução Francesa à Comuna de Paris, estabeleceu o fundamento teórico e prático da hipótese Comunista.

A segunda etapa, da Revolução Bolchevique à Vitória Popular dos Chineses, demonstra que a tomada do Poder, ou a vitória popular, são possíveis, tendo-se o Partido (nos moldes Leninistas) como instrumento.
Porém, esse mesmo Partido não é capaz de garantir a “Continuidade no Poder”. O “Estado-Partido” é incapaz de assegurar a realização do que Mao Tsé Tung chamou de “Movimento Comunista”.

NOTA do AUTOR – essa afirmativa de Mao Tsé Tung tem o propósito de justificar a criação da própria Revolução Cultural, haja vista que em virtude da ineficácia do modelo bolchevique seria preciso um novo formato para a manutenção do Comunismo Chinês. É claro que tal retórica, segundo a maioria dos eruditos, peca pela falta de verdade, posto que a real intenção de Mao fosse apenas a de se assegurar no Poder, posição que lhe era cada vez mais difícil de manter.

Baseando-se, pois, nessa tese é possível verificar que a Guerra de Libertação Nacional do Vietnam e a vitória dos Comunistas Chineses em 1949 estão associadas à Segunda Etapa acima mencionada. Confirma-se que sob a direção do Partido a luta e a vitória são possíveis.

Por outro lado, o fato da Comuna de Paris e da Revolução Cultural Chinesa terem sido movimentos circunscritos apenas ao local e com resultados pífios, aponta que também a ausência do Partido, substituído por alternativas improdutivas, foi incapaz de concretizar o sucesso.
Sendo assim, a questão da “Continuidade no Poder” ainda esta aberta e espera novas alternativas...

O “Estado Franco Germânico”

... Respondendo à sua pergunta sobre o fato de eu considerar como emergente um Organismo francês e alemão contra um aparelho burocrático sem energia e um Humanismo exaurido que se faz presente na Europa atual, posso dizer que a minha ideia é que se surgisse no Mundo uma Entidade com esse potencial a “Verdadeira Política” seria facilitada de dois modos:

Primeiro e imediatamente ter-se-ia um entrave à hegemonia estadunidense. Seria um adversário respeitável a essa supremacia e daria margem de manobra para os povos do Mundo, a exemplo do que ocorria na época da guerra-fria entre a URSS e os EUA.

Em segundo lugar, a própria construção desse novo Organismo, ou Estado, propiciaria pelo ambiente criado, o surgimento de novos empreendimentos e a renovação dos velhos Estados de uma Europa burocrática e impotente.

Ressalvo, porém, que essa proposta não está no campo da realidade imediata, tratando-se mais de uma reflexão acerca dessa possibilidade.

Ademais, caso venha a se materializar, é óbvio, que segundo a minha proposta, o seu Governo se pautaria pelos parâmetros “Progressistas (ie, avançados porque progrediram da velha concepção representada pelo Conservadorismo burguês)” e se utilizaria de seu enorme potencial para se abrir efetivamente ao Mundo, haja vista que o seu vigor econômico (que, aliás, foi o fator determinante para que houvesse a junção entre a França e Alemanha, as duas maiores Economias da Europa atual) faria frente às eventuais tentativas de subjugá-lo.

NOTA do AUTOR – pode-se pensar que, ao cabo, o que BADIOU propõe seja um resgate à pretensão original da Comunidade Européia (cuja criação visava justamente obter tal poder, para que pudesse ombrear com os EUA e com as Potências Asiáticas, especialmente a China e o Japão), mas sem o peso das Economias ineficientes de países como a Espanha, a Itália, a Grécia entre outros, cujas mazelas os jornais estampam diariamente.

Ontologia, Matemática e Existência.

... A tese que afirma ser a Matemática a efetiva Ontologia não implica qualquer mudança na Matemática atual, pois, com efeito, desde a sua criação na Grécia Antiga que a mesma faz da Ontologia uma ciência que embasa o estudo, por contraste, de seu inverso: a Multiplicidade, sem que seus Fundamentos tivessem sido substancialmente alterados.

Assim, como tosco exemplo dessa “Verdade”, poderemos recorrer ao seguinte demonstrativo:
Ontologia = Matemática, porque o “1” É “1”, sem necessitar ser “1” + mais qualquer coisa, para Ser”. O objeto matemático, ao contrário de praticamente todo o resto, não necessita ter qualquer característica própria, ou qualquer atributo para “ser”. Ele É, por si.

Vê-se, então, que a Matemática é a “Ciência do SER enquanto SER” e essa definição também se completa por si, dispensando outras formulações.

Porém, o mesmo eu não afirmo sobre a Existência, já que eu a concebo mais como uma noção de “Lógica” que de Ontologia.

Imagino a Existência de um SER, ou de uma Coisa, como uma reunião de múltiplos elementos que acontece num determinado momento.

Seria o “Aparecimento” de uma “Multiplicidade” num determinado “Mundo (ou numa determinada situação).

O próprio fato de se comprovar uma Existência ou uma Inexistência através do Raciocínio Lógico, como acontece frequentemente, é um claro sinal de que a palavra e o conceito de Existência não é uma palavra da Ontologia, mas sim da Lógica Subjacente que afirma:

“existe, de fato, aquilo (Um SER ou uma Coisa) que ao ser afirmado, não acarreta qualquer contradição”; ou seja, quando se afirma que algo existe e esta afirmativa não gera dúvidas ou rejeição, conclui-se Racional e Logicamente que tal Existência é efetiva.

Nesse ponto quero acrescentar que a meu ver, o principal defeito do “Intuicionismo*” é limitar a Existência a essa falta de contraditório, ou condicionar o Existir à situação de que “só se existe em um determinado lugar; que há necessidade de haver um local, ou um espaço (físico, ou mental) para que a Existência se realize”.

De modo a condicionar a Existência a um “aparecimento” físico ou mental (mental, nos casos em que o que existe é uma ideia, uma sensação, uma intuição, um sentimento) em um momento determinado. Ou em uma determinada situação.

Por isso eu digo que o Intuicionismo seria uma “Filosofia Sofistica” ao afirmar que: É aquilo que aparece.

*Intuicionismo – na Filosofia da Matemática é a tese que afirma que todos os Objetos da Matemática são produtos de construções feitas pelos Homens. Que afirma serem “apenas” criações da Mente humana.

...O “vazio” Ontológico é o mesmo que o “vazio” Lógico?

Não! Aquele do Campo Ontológico é o que chamo de “vazio genérico”, a partir do qual se constrói a Multiplicidade; ou seja, “o conjunto de múltiplos elementos” que formarão um SER ou uma Coisa.
Já no plano da Lógica, vinculado ao Ser-aí (ou seja, ao existir aqui, nesse espaço, nesse Mundo), existe um “vazio” especifico destinado a cada SER ou a cada Coisa que virá existir.

No plano Ontológico, pode-se dizer, o “vazio” é indefinido, é geral. Ao contrário do “vazio Lógico” que está destinado a uma futura “ocupação” especifica.

Quando o SER ou a Coisa se “materializa, concretiza, torna-se física”, ie passa a existir, há uma junção entre os dois “Vazios”, cabendo ao Ontológico “acomodar” o SER, o Existir em si. Ao “vazio Lógico” caberá “acomodar” o Corpo (ou a matéria, o pensamento, o sentimento, o instinto etc.) resultante dessa existência.

Contudo, essa junção não ocasiona a superposição entre ambos os “Vazios” em virtude da diferente natureza de ambos.

São Paulo, 25 de Julho de 2012.


Bibliografia Complementar
Consultada e Recomendada: “O Múltiplo sem Um” – livro de Norman R. Madarasz – Ed. Ideias e Letras, 2011.