sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Vento

Chuva fina
molhando o cinza
na janela.

Tarde de pré Outono,
indecisa entre um frio
sorrateiro
e um calor
passageiro.

Um ipê se atreve
a florir antes
do que deve.
São confusos os ares
que voam nos ventos.
Toda cor se recusa
à paleta do pintor
e brancos quadros
adornam paredes
que nada guardam.

Breve chegará o Minuano.
Sopro gelado
que arrepia tua pele nua.
Quem te fará amor?
Quem te trará a próxima dor?