terça-feira, 22 de julho de 2014

A Maria do Crack


Maria Louca da Central,
a doida varrida da Pedra,
acomoda sua suja figura
em qualquer figurino de Fedra,
mas sem um Trágico que lhe cante
percorre em vão o resto de memória,
em busca da própria história.
E história não há, leitor das Tragédias.
Só se sabe que corre.
Da polícia e de quem diz que a socorre.
Corre avenidas, corre ruas, corre vielas,
mas chegada não há.
Só há a fissura, só a gastura.
E a vida sem cura.

Maria Louca, Doida Varrida, foi filha noutra vida.
Nessa não.
Foi irmã, foi namorada, foi esposa e foi gente na outra vida.
Agora não.
É só recheio de camburão.
E bradam: internamento compulsório!
Pois é tempo de turista,
o nosso dono provisório.
Depois, devolvam-na às ruas,
como dizem os entendidos.
Que volte aos manos bandidos
e aterrorize os pacatos burgueses fodidos.
Mas não se desespere não,
pois Crack mata rápido,
como a dor da solidão.
Mas não se sinta culpado não.
É culpa da televisão, de Wall Street
e do ópio do Afeganistão.
Mas não chore não,
Maria Louca, Varrida da Pedra,
é só a outra face
do auri-verde pendão.


Descanse dos homens, pobre Maria.

Produção e divulgação de Pat Tavares, lettré, l´art et la culture, assessora de Imprensa e de Relações com o Público. Rio de Janeiro, inverno de 2014.