domingo, 25 de novembro de 2012

Praça Tahril


O que fazem da Primavera prometida?
Por que a fazem
inocência corrompida?
O que farão da Promessa
que era jovem,
era homem,
era mulher
e era povo?
Que fim levaram
as vozes que ousaram
e os sonhos que embalaram?
Quais lírios sobrevivem
e quais utopias o Nilo
navega ainda?
Que tiro é esse
que tenta calar
a democracia recém parida?
E quem é esse que revive o Passado
e se veste de antigas tiranias?

O que fazem das Noites
que prometiam
serem mil e uma,
doce Sherazade?

    Aos manifestantes da Praça Tahril.