sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Diques


Os diques do homem
já não impedem que se reguem
as tulipas.

Brancas esperanças
deslizam Gaivotas
que cruzam o Atlante.

Muito pouco, doce Princesa,
ainda afasta o azul do Mar.
Azul de Poema.

"Libertas" voltou a ser mais
que um eco das Minas.

E aos poucos redescubro
de que cores
os sonhos são feitos.

           Para uma doce Princesa.