domingo, 12 de fevereiro de 2012

Olhos de Mar

Poeta de olhos do Mar,
faça-me um verso
com gosto do sal da vida
e do mel de tua boca partida.

Cante a inevitável flecha disparada,
a dura verdade revelada
e a tristeza pela última parada,

mas cante também a inesquecível
rua sem calçada,
a eterna Lua enamorada
e a carícia sem mais nada

e cante o amor que acontece
na cama que não se esquece,
pois é teu esse nobre ofício
de cantar o doce sacrifício.