quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Leveza

Que seja leve
o vento de ser livre.
Que leve seja
essa outra encruzilhada
e que os passos me
sejam fáceis
nessa nova cruzada.

Que a sabedoria
que tudo ensina,
mostre-me o abrigo
contra a dor que se aproxima.

Que o amor
que um dia houve,
sempre te louve
como ex Musa
da minha poesia,
malgrado o fim
de qualquer dia.

Que esqueçamos todas as mágoas
e que nos purifique as sacras águas,
para que mácula não sobre
e nem algum perdão nos cobre.

E que do Tempo,
mais algum me seja concedido,
para que eu viva
o novo amor surgido.