terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Cantar

Canta-se o que há de vir.
Canta-se o perpétuo Devir,
o mistico existir,
o contínuo fluir
e o eterno parir
da Gaia materna
em cada eco de caverna.

Talvez a Esperança de Pandora
preceda a Aurora
e não chegue em má hora,
pois entre o sonho encerrado
e o novo salto tentado
vive-se o momento
em que cessa o lamento.

Canta-se um Futuro,
canta-se o fim de um escuro
e a queda de outro muro.

Canta-se por ser humano,
porque haverá novo ano
e existirá outro plano.
Canta-se pelo fim sabido,
pois dele, novo ramo terá surgido
antes que o velho seja esquecido.