domingo, 2 de janeiro de 2011

Assim é...

Vejo a estranha forma
em que a fumaça se transforma.
Assopro cinza
na patrulha ranzinza.

-Isto haverá de te matar...
-Apenas isso? Todo resto não pode me findar?

Como seria a solidão sem ele?
Dizem-me que ela é, só por ele.
Que todo resto nem pensaria em me deixar.

Simplórios pensamentos
de simplório sargentos.
A vida lhes é rotina.
Previsível rotina,
até como termina.
Creem na televisão,
ou noutro charlatão.
São retilíneos obedientes
de planos dementes,
como vacas enfileiradas
prestes a serem assassinadas.
Comerão sua carne
no churrasco de sempre.
Também comerão outro corpo eunuco,
no Templo de um Guru maluco.

Assim vivem
os esteios da sociedade
e títeres da sobriedade.
Dormem às vezes, após o frio sexo.
E acordam novo dia sem nexo.

Assim vivem
os expoentes sociais,
os considerados normais...

Dormem, acordam.
Acordam, trabalham
e dormem sem sonhos.

É pouco o que tem do Mundo,
e que ocupam no Espaço.
Do Tempo nada tem,
pois vendem-no ao relógio
até que lhes chegue o necrológio.

Dizem bravatas por futebol,
masturbam-se por revistas
e enquanto sonham com carros,
planejam a troca do assoalho
e gargalham pelo baralho.

Assim vivem.
Talvez gostem...