quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Amanhecer



Já soam inválidos os versos pálidos
que a noite te escreveu,
pois eis que a luz primeira
agora te banha de alvorada.

Será preciso reescrever o poema
com nova rima e outra métrica,
pois eis que o Sol te revela
e a vida entra pela janela.

É tempo, moça bonita,
de se fazer outra escrita.
E cantar os cantos da vida,
pois em ti, a promessa é cumprida.



Para a moça bonita.


Produção e divulgação de Pat Tavares, lettré, l´art et la culture, assessora de Imprensa e de Comunicação, Rio de Janeiro, inverno de 2014.