quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Quais?

Colagem de Thyago M. Villela

Homens bárbaros açoitam a noite
e abortam os sonhos a serem sonhados.
Miragens e imagens confundem-se
entre as sacras proibições, 
pois dizem necessária
a regência da melancolia.

Ontem eu vi uma tristeza de adeus
e o corpo que me aqueceria
perdeu-se na multidão de tantos sozinhos.
Foram tantos os brilhos
e, no fim, só essas marcas nos ladrilhos
e talvez a prepotência dos gatilhos.

Em qual esquina os ventos levaram as nossas vidas?
Quando voarão as tristes aves do céu sem estrelas
e qual amanhã despertará os últimos canteiros?
Que ouro saldará a miséria das almas
e qual fonte lavará 
a mágoa do amor perdido
que se deita ao meu lado?



Produção e divulgação de YARA MONTENEGRO - Assessoria de RP, Rio de Janeiro, em Janeiro de 2014