quarta-feira, 5 de agosto de 2015

A Canção de Hiroshima


Canta o Poeta Grande
"A Rosa de Hiroshima*",
mas já não há mais rosas em Hiroshima.
Os homens as ceifaram.

E da terra ceifada pelos falsos anjos vingadores,
qual inimiga e trágica Sodoma,
agora só se erguem fantasmas e escombros.

Dores e sofrimentos rastejam abstratos,
pois diziam que o Mal habitava os corpos
e urgia que a Grande Águia
revidasse as ofensas perpetradas.
Urgia que o Pacífico fosse vingado
e que o pavor fosse implantado...

E foi assim
que os falsos anjos vingadores
acharam-se deuses
e decretaram o fim
dos homens que pensávamos ser.




Às vitimas de Hiroshima, vitimadas pela Bomba detonada em 06 de Agosto de 1945.


* Da poética de Vinicius de Moraes.


Produção e divulgação de Vera Lucia M. Teragosa.