domingo, 3 de maio de 2015

À Mãe da Bala Perdida


Uma bala indevida, vinda de alguma vida perdida,
fez-te mãe desvairada a uivar pela cria partida.

Tua mão calejada foi inútil
para conter a vida de tempo escasso.
E caído, o corpo inerte berra o nosso fracasso.

Por que fizemos tantos muros
e tão poucas pontes?

Mas tudo, para ti, mãe, já não faz sentido.

Que ladrem as vivandeiras de quartel
em defesa do assassino de aluguel.
Que prometam os políticos falaciosos
os cínicos “rigorosos inquéritos” de mafiosos.
Que protestem os hipócritas burgueses,
protegidos por suas armaduras e arneses.
Que berrem os fundamentalistas por vingança
e que preguem os acadêmicos a falsa esperança.

Tudo é inútil. 
O teu menino não voltará.

Tampouco os teus sonhos
de que um dia,
outro dia haveria.



Dedicado à senhora mãe do garoto Eduardo Ferreira, de 10 anos de idade, assassinado por um Policial Militar, no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro. Não há como desejar-lhe um "Feliz Dia das Mães"


*Figura produzida pela Revista Capital e captada via Web.


Lettré, l´art et la Culture. Rio de Janeiro. Outono de 2015.