quarta-feira, 20 de maio de 2015

Óperas, guia para iniciantes. Os tipos de Vozes da Ópera - Quadro sinóptico


Os tipos de vozes da Ópera.


Vozes Femininas ( extensões das vozes)

  • Soprano                                  Dó3  ao  Fá5                                     Voz Aguda
  • Mezzo Soprano1                     Lá2   ao  Si4                                         Voz Intermediária
  • Contralto2                               Mi2   ao  Lá4                                      Voz Grave

Subclassificação de “Sopranos

Soprano Coloratura (em italiano), ou “Soprano Ligeiro”. O termo “coloratura (virtuosismo)” aplicava-se a todas as vozes, mas atualmente só é dado a um tipo de soprano dotado de grande extensão no registro agudo, capaz de efeitos velozes e brilhantes. Exemplo: as interpretes de “Rainha da Noite”, em “A flauta mágica”, de Mozart. 

Soprano lírico. Caracterizada por ser uma voz brilhante e extensa. Exemplo: as interpretes de “Marguerite”, na ópera “Fausto”, de Gounod. 

Soprano dramático. É a voz feminina que pode emitir notas graves, sonoras e sombrias; além, claro, de possuir a extensão de soprano.  Exemplo: as interpretes em “Tristão e Isolda”, de Wagner.

Mezzo Soprano1 – É a Voz intermediária entre o Soprano e o Contralto, como pode ser observado em “As bodas de Fígaro”, de Mozart.

Contralto2 – Em várias ocasiões esse tipo é chamado abreviadamente de “Alto”. A voz de contralto prolonga o registro médio em direção ao grave, graças ao registro "de peito". Exemplo dessa técnica pode ser observado na interpretes de “Ortrud”, na ópera “Lohengrin”, de Wagner.

§§§

Vozes Masculinas( extensões das vozes)

  • Tenor                                     Do2  ao  Ré 4                                     Voz Aguda
  • Barítono                                 Sol1 ao  Lá3                           Voz Intermediária
  • Baixo                                      Do1  ao  Fá3                                      Voz Grave 


Subclassificação das Vozes Masculinas

Tenor

Contratenor - Voz muito aguda, que iguala ou mesmo ultrapassa em extensão a vocalização de uma voz Contralto, que é a “Voz Grave Feminina”. Foi bastante admirada até meados de 1800, sendo-lhe destinados os principais personagens da antiga ópera antiga francesa, de uma parte das óperas italianas, das cantatas de Bach, etc.

Tenor Ligeiro  -  Voz brilhante, que emite notas agudas com facilidade. É, também, uma voz ligeira e suave, como pode ser vista, principalmente, nas óperas de Mozart e de Rossini, com os interpretes do “Conde de Almaviva” em “O barbeiro de Sevilha”, de Rossini ou com os interpretes de “Tamino”, em “A flauta Mágica”, de Mozart.

Tenor lírico. É um tipo de voz muito parecido com a anterior, porém, é mais luminosa nos agudos e, ainda mais cheia, nos registros médios. Também é mais timbrada.

Tenor dramático – Em relação ao tipo anterior é mais luminosa e mais cheia no registro médio, como se pode ver, por exemplo, nos interpretes de “Tannhäuser”, o protagonista da ópera homônima de Wagner.

Barítono

Barítono "Martin", ou “Barítono francês”  É o tipo de Voz clara e flexível, bastante assemelhada coma voz de Tenor, como as dos interpretes de “Pelléas”, na ópera “Pelléas et Mélisande”, de Debussy.

Barítono Verdiano -  Como se depreende do nome, é o tipo de voz que melhor se adéqua às óperas de Verdi, como, por exemplo, as dos interpretes do protagonista da ópera “Rigolleto”, do mestre italiano.

Baixo-Barítono  - O tipo de voz que executa com facilidade os “graves” e é capaz de efeitos dramáticos. Exemplo: os interpretes de “Wotan”, em “A Valquíria”, Ópera do grande ciclo de “O Anel dos Nibelungos”, de Wagner.

Baixo

Baixo Cantante – Tipo de voz que se assemelha à do Barítono; sendo, naturalmente, mais lírica do que dramática. Exemplo pode ser apreciado com os interpretes de “Boris Godunov”, o protagonista da ópera de mesmo nome, de Mussorgski.

Baixo profundo - Voz de grande extensão e amplitude no registro “grave”, como se observa nos interpretes de “Sarastro” em “A flauta mágica”, de Mozart.


Lettré, l´art et la Culture.
Rio de Janeiro, 20 de maio de 2015