segunda-feira, 28 de junho de 2010

Matéria

E, então, quando colhi
a inocência do teu corpo,
soube como morrem os anjos...

Tétrico terror
da burra unanimidade,
da falsa claridade,
da serva humildade
e da estúpida saciedade.

Paga-se o preço da uniformidade...

O que te fizeram ex-Homem?
Por que todos dormem?
Por que bebestes do Letes, ainda em vida?
Onde deixates a alma perdida
e a existência não havida?

Não te choro,
nem te deploro.
Nada mais exploro,
pois já nada tens.
Vendestes teus aléns.