sexta-feira, 11 de junho de 2010

Russa Mulher Tatyana

Porque é universal essa carência,
essa humana essência...

Tantas milhas, tantas milhas...
Tantas armadilhas.
Mas ainda se repetem
nessas rotas virtuais
amores sempre iguais.

Sweet Tatyana,
tépida chama
que me devolve tempos havidos,
quereres sentidos
e desejos escondidos.

Russa Mulher da branca poesia
e da azul sinfonia.
Atravessemos distâncias
e façamos novas circunstâncias.

Que esse brilho dos teus olhos
ilumine eternos girassóis
e que o calor do teu corpo
aqueça os latinos lençóis,
pois eis que a vida somos nós.

Para Tatyana