terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

O Voo de Papillon



Porque voa Papillon, sente-se
o delírio dos amores insensatos,
o gozo dos carinhos abstratos,
a metamorfose dos antigos fatos
e as cores dos novos atos.

E porque voa Papillon, sabe-se
que da neve derretida
ressurge o tempo de outra vida.


Produção e divulgação de Vera L. M. Teragosa