sexta-feira, 30 de setembro de 2016

A Canção de Alepo


Caminham os homens mortos
sobre os homens matados em Alepo.
E, entre os escombros, a todos vigia
o triste espectro da metralha
e de sua insana vontade canalha.

Choram, as mães de Alepo
pelos filhos partidos,
pelos destinos repartidos
e pelos futuros perdidos.
Choram, os pais de Alepo
pelas filhas não sabidas,
pelas esperanças prostituídas
e pelas vidas não acontecidas.
Choram, os filhos e as filhas de Alepo
pelo desaparecer do que se chamava de mãe,
chamava-se de pai e se chamava de novo dia.

E choramos nós,
por vermos que todo o horror de outrora,
chama-se, agora.


Solidariedade ao sofrido povo sírio e, especialmente, aos flagelados pela guerra na cidade de Alepo.