sexta-feira, 18 de setembro de 2015

A Canção de Budapeste


Seria preciso cantar-te,
mas secaram as tintas e os versos.
Secaram em farpados arames,
que mais te aprisionam
que abraçam.

Seco, ficou o desejo de falar de tuas Csárdás,
pois já não se ouve os acordes de Liszt,
silenciados pelas bombas da intolerância
e pelo urro dos tristes ogros das fronteiras.

Talvez, nalgum tempo de outros amanhãs,
outros Cantos cantem a verde beleza
que te fez amada pelo Mundo.

Mas não agora,
pois patéticos fantasmas inumanos
acusam-te com a sombra da impiedade.



Produção e divulgação de Vera L. M. Teragosa.
Lettre la Art et la Culture
Enviado por Lettre la Art et la Culture em 18/09/2015

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.fabiorenatovillela.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.